No

cias

Notícias

Tuyo, trilha independente no Grammy Latino
Publicado em 11/10/2021

Banda curitibana conta o que há por trás do seu álbum indicado na categoria pop contemporâneo

Por Fabiane Pereira, do Rio

A banda Tuyo: novo trabalho foi dividido em dois volumes. Foto: Victor Machado

Como um mapa, "Chegamos Sozinhos em Casa", segundo disco de estúdio da banda curitibana Tuyo, foi entregue para esmiuçar os processos individuais dos seus integrantes: Lio, Lay e Machado. O trabalho teve as suas faixas divididas entre o volume 1 e o volume 2. Neles, o trio percorreu caminhos que levaram à reflexão de pertencimento e da existência de um "não-lugar", e também abordou o denso processo de "adultercer".

O volume 1 deste trabalho que acaba de ganhar uma versão deluxe, e que contempla a música inédita "Abismo", foi indicado ao Grammy Latino na categoria Melhor Álbum de Pop Contemporâneo em Língua Portuguesa, única banda independente e os únicos artistas negros indicados, inclusive. A surpresa entre eles foi grande, como comenta Machado:

“Receber essa indicação foi uma surpresa. Ao sabermos da notícia, foi uma gritaria sem controle, não sabíamos nem como comemorar. Mas um sentimento que ficou muito nítido com a indicação em uma premiação tão importante quanto essa - ainda mais por sermos uma banda independente - é a validação de todo o corre que fizemos ao longo dos anos. A gente acreditou junto com quem também está caminhando e fazendo arte.”

Além da versão deluxe do álbum, a Tuyo estreou a série “Chegamos Sozinhos em Casa – Fragmentos”. Trata-se de registros documentais e musicados que buscam mostrar a atmosfera das canções tocadas ao vivo. Os lançamentos são semanais até dia 4 de novembro, sempre às quintas-feiras, com um red carpet para um bate-papo, no canal da banda no YouTube. “O 'Chegamos Sozinhos em Casa' é resultado de uma construção extensa de muitas pessoas se identificando com a força em se manter vivo no meio de tanto estímulo sufocante. Acho que essa é a principal mensagem que o trabalho quer passar. Além disso, agora, tudo isso é potencializado, e a dor da solidão que tivemos nesses tempos pode ser diminuída nos shows, assim que a gente se reencontrar”, acredita Machado.

Encontrar a criatividade numa indústria que, muitas vezes, parece obrigar os artistas a se inserirem em fórmulas é um desafio, mas, desde que surgiu no cenário da música independente, a Tuyo tem apresentado trabalhos que apontam caminhos e brechas para a autenticidade.

“É muito fácil se confundir com os estímulos que moldam nosso comportamento, volta e meia a gente se pega querendo replicar uma fórmula e fica nessa luta eterna tentando equilibrar a percepção de conseguir se expressar ou apenas comprando o sonho que não representa o que somos. Essa busca é interminável, e acho que o que move a nossa construção é esse desejo involuntário de se sentir vivo e único”, explica Machado.

O Grammy Latino se comprometeu recentemente a ampliar a diversidade dos indicados. Controvérsias acompanham o "prêmio-mãe", o Grammy, há tempos. A instituição latina tem um histórico de mais pluralidade e tem trabalhado para aumentar ainda mais a diversidade entre os membros da academia e nos comitês de indicação. O resultado das indicações dos últimos anos (e principalmente este) é um positivo reflexo desta atenção constante e deste movimento que faz parte da governança da Academia Latina em todos os territórios onde atua.

LEIA MAIS: Mais de 30 associados da UBC são indicados em 13 categorias do Grammy Latino 2021

LEIA MAIS: O folk afrofuturista do Tuyo


 

 



Voltar